Mineração: Acidentes pagos pelo Mercado?

Destacamos a seguinte frase: “O preço do minério de ferro está hoje na casa dos 120 dólares a tonelada. Antes da tragédia de Brumadinho, a cotação girava em torno de 74 dólares.” (EXAME)

Pela sua posição nos elevados níveis do chamado “mercado”, embora haja exceções, as grandes mineradoras parecem não sofrer economicamente com qualquer acidente ou até equívoco cometido. Mas, por outro lado, isso poderia nos levar a pensar que qualquer tentativa de aumentar a eficiência de desempenho na sua atividade principal talvez seja “rejeitada” pelo mesmo mercado, reduzindo proporcionalmente o valor das commodities. Na falta de vontade em melhorar processos e pela manutenção de velhos paradigmas que se observa nas grandes mineradoras, é muito provável que assim esteja acontecendo (não apenas no Brasil).

Grandes empresas de mineração que através do gigantismo entraram nesta seleta confraria global (não só do Brasil e não apenas para minério de ferro), parecem flutuar junto com o grande mercado, associadas a fornecedores globais de equipamentos, engenharia, e também ao sistema financeiro, numa espécie de zona geral de conforto, dando cobertura a enormes deficiências de desempenho, excesso de CAPEX em projetos, atrasos no recolhimento de impostos (para depois “negociar”) e alguma indolência geral em relação a desempenho operacional ou a qualquer tipo de problema na sua atividade fonte.

Empresas que desenvolvam tecnologias que apontem para eficiências de processo e redução de custos ou, ainda, outras mineradoras emergentes com potencialidade de tumultuar a “Pax” estabelecida pelo mercado, geralmente são adquiridas pelas grandes, e logo silenciadas. Essa regra vale para engenharia, fabricantes e, obviamente, para outras mineradoras emergentes.

Mineradoras pequenas, mais perto do chão, se aproximam do tipo de mercado que a gente entende como tal e fazem da melhoria contínua um esforço de sobrevivência, mas, em momentos de infortúnio das “grandes” as pequenas são também indiretamente “premiadas” pelo mercado, com a elevação dos preços do minério. Já o revés da pequena mineradora é a ruina da empresa e dos seus empresários. As mineradoras pequenas, assim como ocorre na sociedade, entre as pessoas, são mais vulneráveis perante autoridades e são severamente punidas por qualquer situação. Para as grandes mineradoras, ser ineficiente não é um problema já que o mercado recompensa.

Mineradoras médias querem ser grandes e entrar para esta cúpula protetora de ineficiência. É tudo muito estranho para nós, que ingenuamente ainda oferecemos serviços de “otimização” para essas mineradoras. Ó luta!!


Alexis Yovanovic