Onde está a mineração?                           

Onde está aquela mineração que estudei? Aquela na qual luto há mais de 45 anos, aquela mineração onde engenheiro devia fazer por 1 dólar o que outros fariam por 2? Para essa mineração dei meus sonhos, desenvolvi teorias, modelos, escrevi livros e ainda percorro o Brasil e o mundo para oferecer.

Hoje tudo é banco, como grandes lojas de departamentos, redes de supermercados, mineradoras também. Executivos ganham por aparecer na TV, impressionar Bolsas de Valores, vencer em estratégias jurídicas, fazendo discursos bonitos para as comunidades, enquanto a mineração de verdade é soterrada por rejeitos. Evandro se encontrou ontem com alguns colegas da mineração real, num interessante curso técnico (detalhes em noticia abaixo) e chegou feliz hoje no escritório da MOPE, assim como a música do Chico Buarque: Meninos, eu vi!

A mineração ainda existe no baixo clero das empresas, nos esforços da Revista Minérios em premiar a quem faz bem, nas expectativas de milhares de colegas, no coração de alguns “rebeldes” que lutam por sair da caixa. Vamos recuperar a mineração para que seja mesmo do ramo? A mineração de “nuvem global” não se sustenta se começarmos a demonstrar que o Rei está nu (e está mesmo)!

Alexis Yovanovic


Para um novo tempo, novas ideias!


Nos dias 03 e 04 de abril tive o privilégio de participar em nome da MOPE do curso “Declaração de Recursos e Reservas Minerais”, ministrado pela Glaucia Cuchierato na cidade de Belo Horizonte. Agradeço imensamente a oportunidade desse aprendizado e digo ainda que conhecer as pessoas que farão a mudança na mineração acontecer, me trouxe alento. É óbvio, mas precisa ser dito; a mineração é feita de pessoas. A responsabilidade pela mudança, para melhor, é nossa!

Há um mundo novo surgindo no horizonte e todos estão ávidos e prontos para esta mudança. O cenário é de muito trabalho, suor e ruptura de modelos e posturas quanto ao papel da mineração perante a sociedade. Só não há desafio onde há inércia. Nosso movimento é de sinergia, flexibilidade e criatividade com responsabilidade. Será exigido de nós muita energia para que a inovação transcenda o discurso e seja colocada na prática. As soluções que a mineração necessita já estão prontas. Vamos trabalhar!


Evandro Sousa