Um novo olhar para projetos e operações          

Ilustração: Paweł Kuczyński

No cenário atual temos de um lado executivos com remuneração atrelada a metas associadas ao sistema financeiro global e na outra ponta, projetos e operações rendidos e sem ação perante exigências ambientais, a mineração tem-se polarizado para atividades distantes da sua principal, com diretores acalmando bolsas de valores e gerentes se esforçando para apaziguar comunidades e o meio ambiente.
 
No meio dessa ação complementar, por cima e por baixo, sobrou exatamente a essência do negócio da mineração, principalmente a geologia, a mineração e o processo, com equipes meio paralisadas, tanto nas mineradoras como nos ambientes académicos. As causas reais dos problemas da mineração continuam intocadas e apenas se fala nas consequências extremas, financeiras ou ambientais / sociais.
 
A atividade mineral parece uma caixa preta inacessível há muitos anos, focada primordialmente em atuações de mídia, advocacia e balanços financeiros além de equipes focadas em se desfazer dos detritos gerados pelo negócio principal. Mas, então há um negócio principal?

Há muitas mineradoras que estão encontrando soluções operando e projetando melhor os seus investimentos, levando boas notícias reais aos acionistas e, todavia, com equipes técnicas comprometidas em atacar as causas dos problemas, sabendo que com isso os efeitos poderão ser mitigados de forma definitiva, com maior eficiência e menor custo, gerando respostas efetivas para a sociedade e o meio ambiente.
 
A MOPE sente orgulho em participar de muitas destas últimas iniciativas, tanto no Chile como no Brasil. Estamos desenvolvendo soluções de melhoria operacional, com base na Concentração Seletiva, agregando muito valor às operações correntes e, também, melhorando a segurança, a rapidez de startup e promovendo os menores OPEX e CAPEX para novos projetos de beneficiamento mineral.
 
Hoje superamos muitas das adversidades inerentes ao caminho escolhido e somos reconhecidos por pensarmos de forma responsável “fora da caixa”, observando aspectos que poucos dão atenção.
 
O melhor momento para avaliar os novos projetos e desafios da operação é agora.

Alexis Yovanovic